Coluna Nosso Legado: Saltando Muralhas

0
30

Por Luziane Araújo

O que entendemos por MURALHAS? Podemos ter pelo menos dois pontos de interpretação ao conceito de muralhas:

  1. Proteção: Fortaleza, domínio fortificado de defesa com o objetivo de separar, isolar, fechar um território.
  2. Cativeiro: Prisão, lugar cerrado aonde se prende para um determinado fim.

Vamos refletir no conceito de muralhas como CATIVEIRO, pois, para saltarmos as muralhas físicas em nossas vidas (desafios), precisamos primeiro derrubar as muralhas internas edificadas dentro de nós, não temos como vencer coisa alguma se estivermos cativos.

Como vencer as MURALHAS DO FRACASSO FINANCEIRO se estivermos presos dentro dos MUROS DA INFIDELIDADE? Como derrubar as MURALHAS DO SEDENTARISMO ESPIRITUAL, se estivermos presos dentro dos MUROS DO COMODISMO? Como derrubar as MURALHAS DAS CRISES FAMILIARES, CONJUGAIS, se estivermos presos dentro dos MUROS DO ORGULHO, DAS EMOÇÕES TÓXICAS?

Devemos ser cuidadosos quanto aos MUROS que nós mesmos construímos, a princípio a nossa intenção seja por precaução, proteção, defesa, mas o nosso coração é enganoso (Jeremias 17. 9-10). Muros esses que podem se transformar em verdadeiros cárceres privados, dos quais jamais podemos sair, caso não haja uma intervenção direta do Espírito Santo.

“Tira a minha alma da prisão, para que eu louve o teu Nome; os justos me rodearão pois me fizeste bem.” (Salmos 142:7)

 

“Tira a minha ALMA DA PRISÃO…” Muito provável da causa do insucesso, das portas fechadas, do fracasso, da frustração de muitos, deve-se ao fato de a ALMA estar aprisionada no mundo espiritual. O sistema penitenciário espiritual abrange várias instancias das nossas vidas: Emocionais, psicológicos, mentais, sentimentais. Isso reflete diretamente aqui no mundo físico.

“… Os justos ME RODEARÃO…” Já observou que costumamos ficar sozinhos em situações onde mais precisamos dos amigos, da família, dos nossos líderes? Logo nasce a mágoa, brotam os culpados, o vitimismo nos abraça e construímos meio que sem querer um MURO DE REVOLTA.

Mas a verdade é que a realidade não é bem essa… Não foram as pessoas que sumiram quando mais precisávamos! Foi você que foi levado cativo para um lugar aonde as pessoas NÃO estão. Quando há quebra desses muros, os justos voltam a rodear você.

Muitos dos cativeiros de hoje, não rompidos, não vencidos, são ALIANÇAS do passado que NÃO foram devidamente renunciadas e canceladas. Alianças são ATADURAS, laços de compromisso e submissão que podem ser estabelecidas de diversas formas.

“Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te, e volta à pratica das primeiras obras…” (Ap. 2:5).

Precisamos LEMBRAR como e onde iniciamos à queda, pois foi provavelmente ali que entramos em cativeiro. Se ARREPENDER, não há libertação sem arrependimento, quando nos arrependemos de algo tomamos a consciência do nosso erro, sentimos vergonha e dor por ter cometido, um sentimento de afastar-se disso toma conta do nosso coração e Deus consegue enxergar quando isso é verdadeiro em nós. VOLTA as práticas das primeira obras… Ou seja, retorna para o plano inicial de Deus, retoma O caminho novamente.

“Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus MUROS estão CONTINUAMENTE perante mim.” (Isaías. 49:16)

Quais são os teus MUROS?

Você foi traído, enganado por isso não acredita em amor ou em amizades verdadeiras? Construiu ao redor do seu coração o MURO DA DESCONFIANÇA? Você foi magoado, amaldiçoado, abusado? Construiu ao redor do seu coração o MURO DO DESPREZO? Você foi rejeitado, abandonado, indesejado? Construiu ao redor do seu coração o MURO DO ISOLAMENTO? Talvez você já tenha desistido, se conformou achando que a vida é assim mesmo e que é assim que vai continuar sendo e que Deus não se importa com esses DETALHES na sua vida, mas não é bem assim!

Chegou o tempo de saltar essas MURALHAS com a ajuda do Senhor. (Salmos 18:29). Liberte a primeira pessoa encarcerada há anos dentro de você… Você mesmo! Se perdoe! Olhe para trás e veja que quando tudo aconteceu, você não tinha maturidade, talvez não tinha apoio, não tinha condições de acertar em tudo. Não suborne as suas emoções com pensamentos, sentimentos e ideias tóxicas, não dê ouvidos a conversas que não irão te edificar em nada. É difícil cumprir o mandamento do Senhor de amar o nosso próximo como a nós mesmo, quando NÃO nos amamos…

Perdoar e seguir é uma estratégia de inteligência e sobrevivência, além de só nos fazer bem. Seja inteligente, não importa o grau da situação, em Deus podemos TODAS AS COISA! Ele está disposto a trabalhar conosco na edificação de muros de amor, de perdão e de paz. Entregue tudo a Ele!

“Reine a PAZ dentro dos teus MUROS e PROSPERIDADE nos teus palácios.” (Salmos. 122:7)