Pastor desiste de liderar ‘megaigreja’ para atuar em pequenos grupos: “Hoje somos família”

0
917
Foto:Reprodução\Internet 

Sete anos atrás, o pastor Francis Chan decidiu sai do comando de uma próspera megaigreja na Califórnia, Estados Unidos, para cumprir o real propósito de Deus em sua vida.
A Igreja Cornerstone, na cidade de Simi Valley, era composta por mais de 5 mil pessoas em 2010, quando Chan sentiu que não estava cumprindo a vontade de Deus em sua posição.
“Eu fiquei frustrado, analisando a situação biblicamente”, revelou o pastor na última quinta-feira, dia 29, durante uma palestra na sede do Facebook. “De acordo com a Bíblia, cada uma dessas pessoas tem um dom sobrenatural. Mas eu via 5 mil pessoas toda semana para ouvirem e verem o meu dom”.
“Então eu comecei a pensar o quanto custava para executar aquilo? Milhões de dólares!”, ele continuou. “Eu estava desperdiçando os recursos humanos de pessoas que, de acordo com as Escrituras, têm um dom miraculoso, mas elas estavam apenas ali, sentadas, calmamente. Elas simplesmente sentavam lá e me ouviam”.
Chan também revela que estava tomado pelo orgulho por causa do sucesso de vendas de seu livro Crazy Love, vendido no Brasil com o título Louco Amor, Na época de sua saída da Cornerstone.
“Fui tomado pelo orgulho quando ia de uma conferência à outra e via meu rosto em uma revista”, revela o pastor. “Eu estava me tornando tudo o que Deus disse que odiava. Estava perdendo minha alma”.
Hoje, Francis Chan lidera um movimento de igrejas em San Francisco chamado “We Are Church”, “Nós Somos A Igreja”, em tradução livre. Atualmente, ele conta com 15 igrejas domésticas e 30 pastores, dois pastores por igreja.
Cada igreja é planejada para ser pequena, para que os membros se relacionem como uma família e estudem mais a palavra de Deus. “Eles só se reúnem em suas casas, estudam, oram, cuidam uns dos outros”, disse Chan.
O desejo do pastor é de dobrar o número de igrejas domésticas e fazer com que, em 10 anos, mais de 1,2 milhão de pessoas façam parte desse movimento. Chan faz questão de reforçar que tudo é gratuito.
O que ele pensa sobre a megaigreja comparada esse movimento atual? “A igreja do jeito que eu estava fazendo era como um orfanato. Hoje somos apenas um bando de crianças com um líder. É diferente de dizer: ‘Vamos te colocar numa casa e esses caras vão cuidar de você’. Hoje somos apenas como uma família”.

Comentário