Império Serrano, Unidos de Padre Miguel e Santa Cruz são destaques no 2º dia de desfiles da Série Ouro no Rio

0
0

Império Serrano, Unidos de Padre Miguel e Acadêmicos de Santa Cruz foram os destaques neste segundo e último dia dos desfiles da Série Ouro do carnaval do Rio, que começou na noite de quinta-feira (21) e terminou na manhã de sexta (22).

A festa ainda teve presença de Império da Tijuca, Acadêmicos de Vigário Geral, Estácio de Sá, Inocentes de Belford Roxo e Lins Imperial.

Em contraste com a primeira noite, esta segunda metade da Série Ouro (a antiga Série A) não teve qualquer tipo de acidente ou tempo excedido. Todas as oito escolas conseguiram completar suas apresentações em 55 minutos ou menos.

A Lins Imperial abriu a segunda noite da Série Ouro. A atual campeã do Grupo Especial da Intendente Magalhães, a terceira divisão do Carnaval carioca, entrou na Sapucaí com cerca de 15 minutos de atraso.

Com o enredo “Mussum pra sempris. Traga o ‘mé’ que hoje com a Lins vai ter muito samba no pé”, a escola fez homenagem ao humorista e sambista em todos os seus dons e personalidades.

Foram 26 alas, três carros, um tripé e 1.800 componentes para mostrar o Trapalhão, o membro do grupo Originais do Samba e até o Kid Mumu da Mangueira.

Na comissão de frente, que retratava diferentes Mussuns, o sósia Rildo Martins chamou atenção pela semelhança com o ator.

Já o carro abre-alas mostrou o morro da Cachoeirinha, comunidade que faz parte do complexo de Lins, onde Mussum nasceu.

A última alegoria teve problemas para fazer a curva e entrar no desfile, o que atrapalhou um pouco a evolução no final, mas não comprometeu o tempo da escola. Foram 55 minutos cravados.

A segunda escola foi a Inocentes de Belford Roxo. Jovem formada em 1994, a agremiação ficou com a quarta colocação em 2020.

Agora, levou à Sapucaí o enredo “A Noite dos Tambores Silenciosos”, a história de uma festa que há mais de 50 anos celebra a ancestralidade negra no Recife.

A louvação aos orixás acontece a partir da meia-noite da segunda-feira de carnaval, quando todas as luzes se apagam, e começa o toque dos atabaques.

A escola da Baixada Fluminense contou com 17 alas, três carros, dois tripés e 2.200 componentes.

Como não podia deixar de ser, a comissão de frente entrou acompanhada de um tambor gigante, do qual saía uma uma orixá que fazia a conexão entre dois mundos.

A Inocentes de Belford Roxo conseguiu fechar seu desfile em 54 minutos.

Terceira escola da noite, a Estácio de Sá tenta retornar ao Grupo Especial. Ela caiu para a Série A (agora Série Ouro) em 2020, ao fica na penúltima colocação.

Para conseguir a única vaga para subir este ano, a agremiação apostou na reedição de um enredo de 1995. O “Uma vez Flamengo” vira “Cobra coral, Papagaio Vintém. Vesti rubro-negro, não tem pra ninguém”, agora com um foco no olhar do torcedor.

A comissão de frente falou sobre a relação dos jogadores com seus rituais antes dos jogos e do peso da camisa – nesse caso, quase literal. Um drone carregava o manto rubro-negro sobre a Sapucaí.

No primeiro carro e nas alas seguintes, a escola mostrou a história dessa camisa, que começou azul e dourada na época do clube de regatas, até o vermelho e preto atuais.

Já em cima da última alegoria, representando a festa na favela que acontece em vitórias do Flamengo no campo, estava o famoso time de sósias do elenco original.

Com 22 alas, três carros, um tripé, um elemento cenográfico e 2.200 componentes, a escola encerrou sua participação com 54 minutos.

A Acadêmicos de Santa Cruz, quarta escola da noite, é integrante de longa data da Série Ouro. A última vez em que saiu foi em 2003, quando subiu para o Grupo Especial. No ano seguinte, voltou e ficou.

Depois do 7º lugar em 2020, em 2022 a escola trouxe à Sapucaí o enredo “Axé, Milton Gonçalves – No catupé da Santa Cruz”.

Com 22 alas, três carros, um tripé e 2.500 componentes, a Santa Cruz relembrou a infância do ator na lavoura de café em Minas Gerais e fez um paralelo entre sua carreira e os orixás.

O preto e branco de grande parte das primeiras alas encontrou contrastes com o rosa e o roxo do segundo carro, que representava o período no qual Milton trabalhou em uma livraria e se apaixonou pelas artes, o vermelho e preto do Flamengo, seu time do coração, e o verde e rosa da Mangueira, sua escola.

O último carro, no entanto, que retratava Milton como seu personagem na novela “Bem Amado”, deveria mostrar sua liberdade. Mas sofreu com problemas de deslocamento.

Mesmo assim, a escola conseguiu fechar o portão da dispersão com 53 minutos.

O fim do desfile ainda guardou uma surpresa. Uma componente foi surpreendida por um pedido de casamento feito pelo namorado.

A Unidos de Padre Miguel foi a quinta a entrar na Sapucaí. A escola chegou perto de subir para o Grupo Especial em 2020, ficando com o segundo lugar em um ano em que só uma era promovida.

Em 2022, a agremiação levou ao carnaval do Rio o enredo “Iroko – É tempo de xirê”, sobre o orixá do tempo, do conhecimento e da ancestralidade, pouco difundido no Brasil.

A UPM teve 22 alas, três carros, um tripé, um pede passagem no lugar de seu abre-alas, e 2 mil componentes.

Na comissão de frente, um elemento cenográfico impressionou com uma grande árvore “viva” acompanhando os dançarinos em um tripé.

A escola encerrou o desfile com um grande carro branco mas muito iluminado, decorado com uma pomba, símbolo de Iroko. Os portões se fecharam com 52 minutos.

O sexto desfile da noite foi da Acadêmicos de Vigário Geral, uma das escolas mais jovens da Série Ouro fundada em 1991.

A agremiação, que voltou à segunda divisão do carnaval carioca em 2020 e ficou no 11º lugar, trouxe em 2022 o enredo “Pequena África – Da escravidão ao pertencimento, camadas de memória entre o mar e o morro”.

Foram 20 alas, três alegorias e 1.500 componentes para contar a história de parte da Zona Portuária do Rio, que ficou marcada pela chegada dos escravizados no Rio.

A comissão de frente aparentemente simples, com dançarinos representando estivadores, guardava uma mensagem forte. Os sacos de sal carregados se transformavam em cartazes com vítimas negras de operações policiais, como a jovem Ágatha Félix.

No abre-alas, um grande navio negreiro representante da dor e dos maus tratos a que os negros eram submetidos, com um dragão na frente, símbolo da monstruosidade da escravidão.

Sem sustos, a escola terminou seu desfile em 52 minutos.

A Império da Tijuca foi a sétima a entrar na Sapucaí. A escola, que ficou na sexta colocação em 2020, veio este ano com o enredo “Samba de Quilombo: a resistência pela raiz”.

Para cantar sobre o bloco Quilombo dos Palmares, um manifesto negro realizado nos anos 1970 contra o “embranquecimento” do carnaval, a agremiação contou com 20 alas, três carros, um tripé e 1.500 componentes.

Na comissão de frente, dançarinos mostravam a relação entre Brasil e África, com coreografias e fantasias inspiradas pelo país e pelo continente.

No abre-alas, a escola chegou a abrir mão de suas cores, o verde e o branco, por aquelas que marcaram a Quilombo (que com o tempo virou escola de samba), com um grande carro amarelo, lilás e preto.

A Império da Tijuca conseguiu terminar seu desfile com 54 minutos.

Coube ao Império Serrano o papel de fechar os desfiles da Série Ouro 2022. A escola, que tem uma história de idas e vindas com o Grupo Especial, ficou com o nono lugar da antiga Série A em 2020.

Para tentar voltar à elite, a agremiação trouxe à Sapucaí o enredo “Mangangá”, sobre a história do lendário capoeirista baiano Besouro Mangangá.

O próprio é representado na comissão de frente, com direito a luta, coreografia com uma armadura viva, símbolo de seu “corpo fechado” pelos orixás, e transformação em um besouro em si. Preso em um drone, o inseto teve problemas para levantar voo no começo, mas depois conseguiu sair do chão.

O Império levou à Sapucaí 18 alas, três carros, um tripé e 2 mil componentes em um desfile colorido para representar a lenda do lutador, um líder do povo negro no período pós-abolicionista, no início do século 20.

No abre-alas, um imenso besouro chamou a atenção na frente da alegoria, cercado por estátuas de seus orixás.

A escola conseguiu fechar seu desfile em 53 minutos.

Fonte: G1

Comentário