Grávida por violência sexual, mulher decide não abortar

0
28

“Na véspera de Ano Novo de 1991, fui convidado a jogar boliche com um pequeno grupo de pessoas que eu conhecia há pouco tempo. Nós jogamos boliche e bebemos, mas não me lembro de muito mais. Não me lembro de sair do boliche, mas lembro de ter visto faróis a caminho de algum lugar”, relata Paula.

Ela conta que não fez ideia de como entrou em um quarto de hotel. “Só me lembro de abrir os olhos e saber que alguém estava em cima de mim. Levei um minuto para entender o que estava acontecendo, me sentia tonta”, lembra ela.

Quando percebeu a situação em que estava, disse que sua mente estava “gritando para eu empurrar o homem, não tinha forças” porque acredita que havia sido drogada.

“Olhei para minhas mãos e fiquei dizendo para mim mesma: ‘Levante suas mãos; empurre-o para fora!’, mas desmaiei”, lembra Paula, que havia acabado de sofrer um estupro.

Depois de acordar nua, confusa, com frio e aterrorizada, Paula foi para casa. Ela conta que se trancou e ficou semanas sem sair. “Eu não contei a ninguém o que aconteceu. Eu me sentia deprimida e suja e não saía da cama com muita frequência”, conta Paulo, que disse ainda que começou a se sentir mal todas as manhãs.

Gravidez

Diante daquele quadro, Paula procurou um lugar especializado em “gravidez de crise”. “Liguei e marquei uma consulta, fiz alguns exames e esperei pelos resultados que eu já sabia a resposta”, conta.

Paula conta que uma mulher chegou à sala de espera e a levou de volta a uma sala para me dar entregar os resultados, onde vários conselheiros estavam esperando. “Eles me disseram que eu estava grávida e tinha um vídeo para eu ver. Eu assisti o ciclo de vida do bebê na minha barriga. Eu aprendi sobre o coração em desenvolvimento. Este bebê já tem um batimento cardíaco. Quando saí do prédio, era isso que eu não conseguia tirar da cabeça: uma batida do coração”, relata.

Com 18 anos de idade, Paulo estava muito assustada e sentiu que precisava contar a alguém. “Eu escolhi minha irmã. Quando cheguei, ela estava se preparando para sua festa de noivado. Éramos apenas eu e ela na sala quando disse ‘estou grávida’”, lembra Paula.

Paulo diz que sua irmã ficou emocionada, apesar da circunstância. “Eu não estava sentindo a emoção, mas ela tinha o suficiente para nós duas e isso me dava esperança. Ela podia sentir meu desespero, mas nunca vacilou”, conta.

Paula disse que um por um, contou às pessoas próximas a ela sobre o “incidente” e sobre a gravidez. “Fui abençoada por ter uma família tão amorosa e solidária. Sempre estivemos muito perto. Sou grata por estar cercada pelo amor deles. Isso me levaria pelos próximos oito meses de gravidez e muito além”, disse.

Comentário