Fundador do Eu Escolhi Esperar afirma ‘Se governo estivesse propondo somente a abstinência sexual, eu seria o primeiro a não concordar’

0
63
Foto: Reprodução/ Instagram

Fundador do Eu Escolhi Esperar, Nelson Junior, de 43 anos abriu mão do título de pastor porque, há anos, já não fala apenas com o público evangélico. Desde 2011, ele e a mulher Ângela Cristina, estão à frente do projeto que usa as redes sociais para pregar aos jovens cristãos a principal bandeira do casal: sexo só depois do casamento. No Governo Bolsonaro, a pauta vive a expectativa de virar politica pública.

O Eu Escolhi esperar começou como campanha pela internet, acabou viralizando e virou movimento. Hoje, a julgar pelas mensagens. Só no Facebook, são 3,2 milhões. Já no YouTube, o canal reune mais de 1 milhão de seguidores interessados em acompanhar o casal falando sobre relacionamentos, virgindade e religião.

Fora das redes-sociais, o hoje ex-pastor mantém o Instituto Eu Escolhi Esperar (EEE), que desenvolve acoes para incluir a pauta da abstinência na agenda da educação sexual. Com eventos em todo o país,  agenda costuma ser abarrotada.

Veja entrevista Nelson Junior ao Jornal Estadão.

Quais tabus o sr. percebe na fala de especialistas? Que é um retrocesso, que é ultrapassado, que não funciona. Que todos os adolescentes transam. Isso não é uma verdade.

Precisamos entrar na fase do amadurecimento do debate e superar as visões pessoais. Neste momento, o debate está aquecido e por isso decidi abrir uma linha de diálogo.

Vamos conversar! Mostrar os dados, o que a ciência fala a respeito e sobre a Constituição. Todas essas objeções são válidas, porém precisam ouvir o que nós temos a provar.

Como tratar do tema da abstinência sexual fora do contexto da religião? É possível. Dá para desenvolver um trabalho mostrando ao adolescente, principalmente entre 12 e 14 anos, que esperar também é uma escolha. Que é saudável, não há anormalidade.

O @institutoeee, como organização da sociedade civil, defende a educação sexual abrangente para os adolescentes. Temos uma comissão científica formada por médicos e pedagogos com as comprovações científicas.

Quanto à gravidez precoce e ISTs, os melhores resultados são quando a abstinência sexual está somada a todos os outros métodos contraceptivos existentes.

Quando especialistas declaram que não funciona eles se baseiam em estudos científicos realizados APENAS em lugares que trabalham SOMENTE com a abstinência sexual.

Políticas públicas só de abstinência sexual, não funcionam. Por outro lado, excluir a abstinência sexual, que é o que os especialistas querem, também não funciona. Os índices do Brasil são as maiores provas disso. A defesa que eu faço é de pluralidade: os diferentes métodos juntos proporcionam os melhores resultados.

 

Comentário