Cristãos preferem Bíblia impressa para estudos e aplicativos para devocional

0
7

Para entender as diferenças entre os usuários de aplicativos da Bíblia e quem prefere usar a Bíblia impressa, o o pesquisador John Dyer resolveu fazer uma pesquisa e assim entender as diferenças e os hábitos entre os cristãos.

Para realizar este estudo, já publicado na no Journal of Religion, Mídia e Digital Cultura, Dyer alistou participantes de duas mega-igrejas não-denominacionais e uma igreja Batista do Sul na área de Dallas.

Ele pediu aos participantes para lerem o livro de Judas, impresso ou digitalmente, e responderem a algumas perguntas. Depois, pediu que eles participassem de um plano de leitura de dez dias do livro de João, usando o mesmo meio utilizado na aula da igreja.

Dyer conduziu uma avaliação de sua compreensão e perguntou como eles se sentiam após a leitura. As três respostas mais comuns foram “encorajados”, “desencorajados” e “confusos”.

“Os usuários digitais têm quase o dobro de probabilidade de relatar ‘confundidos’ com muitos, indicando que gostariam de ‘ler novamente’ ou ‘estudar mais’”, relatou o pesquisador.

Dyer também reuniu dados sobre os hábitos atuais de leitura da Bíblia dos participantes, pedindo que marquem uma caixa para qual mídia eles preferem usar para diferentes formas de envolvimento da Bíblia. Dois terços dos entrevistados preferiram a versão impressa para leitura longa (66%) e para estudo (65%).

Nos smartphones, os entrevistados disseram usar aplicativos para devocionais (45,3%) ou pesquisas bíblicas (38,7%). Os smartphones também foram o meio mais usado para ouvir a Bíblia em áudio. Os usuários de tablets também costumavam usar suas Bíblias impressas e aplicativos.

Dyer observou um pragmatismo na leitura da Bíblia para a maioria dos participantes. Por exemplo, muitos não trazem uma Bíblia impressa para o trabalho ou para a escola, mas quando leem nesses ambientes, 42,7% usam seu smartphone, 20,7% usam seu computador.

Enquanto estavam na igreja, muitos se sentiram mais confortáveis ​​abrindo suas Bíblias impressas do que um aplicativo.

Ao ler para crianças, as pessoas preferiam ler a Bíblia impressa (42,7%) em vez de usar a Bíblia em app do smartphone (12,7%), provavelmente “porque queriam promover um respeito saudável pela Bíblia”, disse Dyer ao Christianity Today.

“As Bíblias impressas e digitais geralmente são moldadas em oposição umas às outras… mas os dados sugerem que o relacionamento é muito mais complexo”, disse ele. “A leitura da Bíblia hoje é mais uma experiência multimídia, com os leitores usando uma combinação de impressão, tela e áudio, dependendo da forma de envolvimento bíblico que estão realizando”, completou o pesquisador.

Dito isso, suas observações revelam que “(as pessoas) fazem essas escolhas com base na conveniência – muitas vezes pegando a Bíblia mais próxima disponível (NAB) – e desconhecem o efeito que o meio exerce sobre a mensagem e o leitor”.

Comentário